BIOGRAFIA

elemento do pattern [BR-255.255.255].png

Silvia Goes nasceu em SP, em 1947. Cresceu entre a música, tendo o pai violonista e a mãe pianista. Seu interesse pela música fez com que aos 5 anos já arriscasse acordes tanto no violão quanto no piano.

 

Com 11 anos surgiu a primeira oportunidade para tocar com profissionais e assim inicia sua carreira, na Rádio PRG8 (Bauru) em um conjunto regional. Nos primeiros anos como músico profissional dedicou-se somente ao violão e eventualmente se apresentava também cantando. Nesse formato participou de alguns festivais da TV Excelsior e da TV Record.

 

As casas noturnas eram o palco ideal para os instrumentistas e cantores e foi nesse período que Silvia conheceu e se apresentou com muitos nomes da Bossa Nova e do Samba mais tradicional como Sylvinha Telles, Stanislaw Ponte Preta, Manfredo Fest, Geraldo Cunha, Claudette Soares, Aracy de Almeida, Ciro Monteiro, Alaíde Costa e muitos outros. Nessa mesma época fez teatro (já musical) junto com Milton Nascimento, Tuca, Carlos Augusto Strazzer e outros.

Em 1967 nasce seu primeiro filho, Rodrigo, fase em que Silvia se encanta com o som das gravações e com as possibilidades de escrever para bandas e orquestras. Inicia aí uma carreira paralela com comerciais para TV e um trabalho de arranjadora para discos e programas de TV.

 

Segue até meados de 70 e decide voltar aos palcos dessa vez como pianista. E nessa nova fase musical atua junto de maravilhosos músicos como Heraldo do Monte, Mauricio Einhorn, Hermeto Pascoal, Dori Caymmi, Roberto Sion, Hélio Delmiro, Teco Cardoso, Léa Freire, Toninho Horta, enfim muitos sons inspiradores, inclusive o de Arismar do Espirito Santo com quem Silvia se casa e tem dois filhos: Thiago Espirito Santo (baixista) e Bia Goes (cantora).
 
Não ficou exclusiva da música instrumental, pois sempre se sentiu atraída pelo “acompanhar” uma voz e com isso fez belas parcerias com Jane Duboc, Leny Andrade e principalmente com Toquinho, um grande amigo com o qual se apresentou de 1990 a 2015.

Tocou por diversas vezes em Festivais na Itália, Portugal, Espanha, Ilhas Canárias, Nova York, Chile, Argentina, Colômbia, Equador. 

Criou algumas bandas, mas as que ganharam maior destaque foram duas: “Silvia Goes Big Band” criada em função de um trabalho ligado ao cinema e depois “A Banda da Patroa”, que era voltada para o som brasileiro.
 
Ainda como arranjadora trabalhou nos Estúdios Mauricio de Sousa, onde fez  trilha sonora de três longas e diversos curtas.
 
Seu primeiro CD , "Piano à Brasileira", saiu somente em 2000 – quando completava 42 anos de profissão. Daí em diante gravou mais 8 CDs, são eles: "Resistindo", "Trio", "A vida tem sempre razão", "Época de ouro do Carnaval Brasileiro", "The Best Songs of Bossa Nova", "Intuitivo" e "Memórias". Com o trio “Três em 3x4”, formado junto com Bia Goes (voz e flauta) e Ricardo Valverde (vibrafone e percussão) gravou “Retrato da Valsa Brasileira”, CD lançado em 2010.

 
Durante sua trajetória não foi só o tocar que motivava seu entusiasmo. O interesse por descobrir a importância do som internamente, fez com que Silvia se envolvesse com uma pesquisa no inicio dos anos 70. Desse trabalho surgem três grandes frutos: os livros “O Cérebro Musical” (lançado em 2008), a "Música no Divã" (2011) e o curso e livro "Entre a Música e a Terapia" que fala sobre a técnica desenvolvida durante essas décadas e aplicada hoje em dia tanto para músicos como para não músicos. Escreveu mais cinco livros voltados mais a músicos, destacando o método “Harmonizando”, baseado na técnica de ensino que vem adotando nas últimas quatro décadas.
 
Sua atuação continua como professora/orientadora atendendo tanto músicos como não músicos, ministra cursos e palestras motivacionais sobre o “Desenvolvimento Humano Através Da Harmonia Musical” e também nas apresentações de piano solo, duo ou trio, sempre levando aos palcos o melhor da música brasileira.